Uma empresa sem liderança é uma empresa sem inovação


Foto: Unsplash

Liderança e inovação andam lado a lado. Na verdade, estão completamente interligadas. É impossível haver inovação em empresas sem liderança – e no decorrer deste artigo você aprender o porquê.


PARTINDO DO PRINCÍPIO: O QUE É INOVAÇÃO? E O QUE É LIDERANÇA?

Antes de entrarmos no assunto de liderança e entendermos todos os aspectos que fazem com que a inovação seja – ou não – possível em uma empresa, é preciso entender o que é, de fato, inovação. Segundo o dicionário Michaelis, inovação é “produzir ou tornar algo novo; renovar, restaurar.” Essa é uma definição de inovação que nos agrada por mostrar os dois lados desse conceito tão poderoso: o de criar algo novo e o de transformar alguma coisa em algo completamente novo – converter a embalagem de remédio em marca página de um livro, por exemplo. Você deu um novo significado a algo que já existia. E o nome disso, meus amigos, é inovação!


Visto o que é inovação, podemos avançar para o papel da liderança dentro de uma organização. Pois bem, nós vemos o líder como o responsável por desenvolver a sua equipe. E, para desenvolver uma equipe, o líder deve impactar de forma positiva cada membro desse time. Acreditamos que o papel do líder é passar, fomentar e praticar os valores e cultura da empresa, e não simplesmente dizer o que cada um tem que fazer. Quando falamos em “falta de liderança”, estamos nos referindo a todas as pessoas que usam de uma posição de liderança de forma equivocada: seja abusando de seu poder, liderando seus funcionários pelo medo, ou até deixando de exercer qualquer tipo de liderança. Quando ler passagens com esse trecho, saiba que estamos nos referindo aos profissionais que, infelizmente, fazem com que seus liderados trabalhem para ele. Enquanto o bom líder, faz exatamente o oposto: trabalha para os seus liderados.


Agora que já estamos alinhados em relação aos nossos conceitos de inovação e liderança, podemos seguir em frente. Nesta segunda parte do artigo, vamos abordar de maneira clara e direta como a liderança faz toda a diferença para o surgimento de uma filosofia de inovação dentro de um negócio – o que resulta, claro, em uma empresa de ponta e que, de tempos em tempos, inova.


COMO A LIDERANÇA INFLUENCIA A INOVAÇÃO

O primeiro aspecto que precisamos prestar bastante atenção é a liberdade e autonomia que o líder dá para seus liderados. Liberdade e autonomia, nesse sentido, referem-se ao poder de decisão de um funcionário em uma empresa. Infelizmente, hoje em dia ainda encontramos um grande número de empresas altamente autoritárias, em que o poder de decisão fica a cargo de apenas uma pessoa. Em ambientes assim, a inovação é impossível. A inovação é resultado de uma cultura organizacional que deixa claro para os seus funcionários que eles fazem parte do negócio, e mais do que isso: faz eles sentirem que também são responsáveis pela empresa e seus rumos. Tirar a autonomia e tratar os seus liderados apenas como meras peças de um grande quebra-cabeça só servirá para desmotivá-los.


Portanto, visando um negócio com uma cultura de inovação, dê liberdade para os seus funcionários. Além disso, escute e dê feedbacks sinceros. Essas atitudes mostram para todas as pessoas da empresa que você se preocupa com o que elas têm a dizer e está disposto a melhorar. Um bom líder, já dizia um sábio, deve sussurrar a suas vitórias e gritar as suas derrotas.


Dar liberdade e escutar o seus funcionários resulta na melhora no ambiente de trabalho que, por fim, resultará em um ambiente inovador. Outra postura importante que os líderes precisam adotar para aumentar cada vez mais a cultura de inovação no seu negócio é acabar com a premissa que o líder sabe de tudo. Isso quer dizer que as lideranças da empresa precisam incentivar o debate, nem que isso signifique que seus liderados discordem deles. É preciso lembrar que os líderes também erram. E em situações como esta, o pior cenário é que todos os funcionários se calem por medo e simplesmente sigam o líder, mesmo sentindo (ou até mesmo sabendo) que há algo errado.

Foto: Unsplash

Reed Hastings, CEO da Netflix, diz que isso é motivo para demissão na empresa de streaming. O empresário acredita que quando um funcionário tem medo de expor seu pensamento, omitindo sua opinião e deixando a empresa seguir um caminho errado, ele estará prejudicando a empresa. Por conta disso, ele implementou uma cultura de feedbacks verdadeiros, em que os líderes não são os donos da verdade e cobram que seus liderados discordem e debatam com eles – sim, a Netflix é uma empresa inovadora em diversos sentidos!


Por fim, uma das lições mais valiosas em relação a este tema é: não puna as falhas criativas e inovadoras dos colaboradores. Muitas empresas, na verdade, a maioria, têm aversão a qualquer tipo de falha ou risco – e talvez seja esse o motivo dessas mesmas empresas não conseguirem inovar. Uma característica que muitos têm quando assumem cargos de liderança é punir. Punir a falha. Claro, cada caso é um caso. Mas acreditamos que as falhas fazem parte do sucesso e não existe inovação sem falha. Ninguém inova de primeira!


Portanto, o que precisamos fazer quando nossos liderados falharem em projetos inovadores ou quando estiverem tentando fazer algo novo – que em caso de sucesso será de grande importância para a organização –, é compartilhar a falha com todos os membros da empresa. Essa estratégia, que é defendida e usada por Reed Hastings, CEO da Netflix, visa usar o erro como aprendizado. E é muito importante destacar isso: a exposição da falha não tem o intuito de humilhar ou apontar dedos, mas, sim, de ensinar a empresa como um todo o que não funcionou e como aquilo pode ser melhorado.


A punição, por sua vez, será aplicada a quem tentar esconder o erro ou acusar um outro colega pela sua falha. Ou pior: quem continuar errando. Após perceber que cometeu um erro, é preciso informar para seus líderes e depois para sua equipe.


Lembra que a gente falou que o líder precisa estimular feedbacks sinceros? Uma empresa que valorize esses feedbacks e o constante aprendizado irá valorizar a informação que esse profissional está trazendo e, claro, sua coragem de assumir e compartilhar a sua falha. E, como em diversas situações, a melhor maneira de ensinar e estimular um tipo de comportamento é por meio do exemplo. Se o líder da empresa não assumir os seus erros e não compartilhar suas falhas, ninguém mais fará. É preciso dar o exemplo.


gif


SEJA UM LÍDER INOVADOR: NÃO TENHA MEDO DE FALHAR, TENHA MEDO DE NÃO INOVAR

Consegue perceber como a relação entre liderança e inovação é muito mais profunda e complexa do que imaginamos?


Liderança e inovação caminham juntas. Infelizmente, uma liderança fraca mata todas as possibilidades de uma empresa se tornar inovadora. É dever, sim, do líder, guiar seus liderados para um caminho novo, em que os mesmos se sintam valorizados, escutados, donos do negócio e parte fundamental para o sucesso da organização. Também é papel do líder, escutar e dar os feedbacks – construtivos e verdadeiros. Além disso, o líder deve estimular que seus colaboradores deem feedbacks entre si, o que irá aumentar cada vez mais o nível da empresa – já que todos os colaboradores estão preocupados com a opinião do colega e buscando sempre aprender, melhorar e evoluir. É obrigação do líder criar um ambiente inovador em que seus liderados não tenham medo de discordar da figura de autoridade. E é essencial para o sucesso de uma empresa altamente inovadora que as falhas causadas por criatividade ou tentativas de inovação não sejam punidas. No entanto, aqueles que tentarem se esconder na mesmice para não errar ou que permanecerem no erro devem ser punidos.


Se você ocupa alguma posição de liderança, acreditamos que irá aplicar, a partir de agora, as melhores práticas para liderar uma empresa inovadora e disruptiva. Nunca se esqueça: não existe inovação sem falha. Precisamos aprender com os nossos erros, e até mesmo com os erros dos nossos concorrentes, para só assim quebrarmos barreiras e mais barreiras. Não tenha medo de inovar, tema a mesmice. Ficar confortável e estagnado no seu mercado é a pior coisa que uma empresa pode fazer.





RAFAEL SANTORO

Empresário, MBA em Gestão, Empreendedorismo e Marketing pela PUCRS, formado em administração pela UNILASALLE-RJ.



32 visualizações0 comentário